Centro Histórico de Guimarães

A cidade histórica de Guimarães encontra-se associada à emergência da identidade nacional portuguesa no século XII. Constitui um exemplo excepcionalmente bem conservado da evolução de uma localidade medieval para uma cidade moderna, com a rica tipologia edificativa a mostrar o desenvolvimento da arquitectura portuguesa entre os séculos XV e XIX com o uso continuado de técnicas e materiais de construção tradicionais.

Guimarães, origem da nacionalidade, é uma cidade com um glorioso passado histórico, apresentando elevado grau de autenticidade nos tecidos urbano e edificado.

Grande parte da estrutura edificada remonta ao século XVII e encontra-se erguida com as técnicas construtivas tradicionais. Estas construções, que preenchem densamente a malha urbana, constituem uma herança cultural, inerente ao património a salvaguardar.

A autenticidade e integridade destes sistemas construtivos, constitui um valor singular excepcional. O Largo da Oliveira encontra-se rodeado por um conjunto de construções de valor patrimonial, designadamente: a Igreja Nossa Senhora da Oliveira, as “casas alpendradas” do século XVII, o edificado habitacional erguido com os sistemas construtivos tradicionais, contendo ainda um alpendre gótico com o designado Padrão do Salado.

A Praça de Santiago, rodeada pelo conjunto residencial de maior qualidade artística e ambiental dos séculos 17 e 18, é marcada pela presença do edifício da antiga Casa da Câmara, cujo rés-do-chão é constituído por um alpendre apoiado em arcadas góticas, elemento singular de articulação entre a Praça de Santiago e o Largo da Oliveira.

A Rua de Santa Maria, uma das mais antigas artérias de feição medieval, eixo principal de ligação entre o núcleo do Castelo, situado na cota alta e o núcleo do mosteiro, na parte baixa da vila.

A Rua Nova ou Rua Egas Moniz, que apresenta um edificado de épocas bem diferenciadas, desde elementos de arquitectura medieva à arquitectura dos séculos 17 a 19, merecendo destaque a Casa da Rua Nova de raiz medieval, sofrendo obras de modificação no século XVII, que constitui um dos exemplos tipológicos mais característicos das designadas casas de ressalto.

Onde ficar alojado em Guimarães

Hotel Da Penha
Rua Nossa Senhora da Penha
Guimarães
253 414 245

Hotel Toural
www.hoteltoural.com
Largo A L Carvalho
Guimarães
253 517 184

Hotel Mestre de Avis
www.hotelmestredeavis.pt
Rua Dom João I 40
Guimarães
253 422 770

Hotel Fundador
www.hotelfundador.com
Avenida Dom Afonso Henriques 740
Guimarães
253 422 640

Villa Hotel Guimarães
www.villa-hotel.net
Avenida Dom João IV 631, S. Sebastião
Guimarães
253 421 440

Hotel de Guimarães
Rua Eduardo Manuel de Almeida
Guimarães
253 424 800

Hotel São Mamede
www.residencial-smamede.com

 

Gastronomia Tradicional de Guimarães

Tortas de Guimarães 

Este bolos vimaranenses, com a forma de concha, são uma herança da riquíssima doçaria conventual portuguesa, que deu origem a muitas das receitas mais afamadas de Portugal. A receita original é feita na “Casa Costinhas”, em Guimarães, adquirida por 3 freiras do Convento de Santa Clara que, após a saída do convento, quiseram ficar perto do local onde estava a sua ordem religiosa e começaram a fabricar os doces que faziam no convento.

Ver receita

Toucinho do Céu

O toucinho do céu é um dos mais célebres doces tradicionais de Portugal, com origem na doçaria conventual. O nome deve-se ao facto de a receita original ter banha de porco nos ingredientes e, sendo um doce criado nos conventos, seria, pois, o Toucinho do Céu.

Ver receita

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verificação * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.