Peixes do Rio em Cebolada, Chaves-Portugal

Município de Chaves
Município de Chaves

Peixes do Rio em Cebolada

Compram-se no mercado peixes do rio, ou ao pescador que deverão estar presos pela erva do rio, introduzida na boca. Amanham-se, lavando-os em bastante água, com bastante sal, para lhe retirar a viscosidade da pele. Temperam-se com bastante sal. Convêm que os peixes sejam de tamanho mais pequeno. Introduzem-se num palito ou erva do rio fazendo-se uma fileira para fritar. Prepara-se o azeite bem quente, na frigideira e colocam-se a fritas, bem tostadinhos de um lado e de outro. Vão-se retirando para uma travessa. No final acrescenta-se à fritura um copo de vinho branco, bastante cebola às rodelas grossas, uma colher sopeira de colorau picante, verifica-se o sal e deixa-se apurar a cebola nesse molho. Acrescenta-se um gole de vinagre caseiro. Deixa-se apurar novamente e com esta cebolada banham-se os peixes na travessa. Recomenda-se que estejam a marinar na cebolada por algumas horas.

Restaurante “O Moinho” e na região da Lampaça.

 

Salada de Bacalhau

Desfie-se o bacalhau ainda seco, às lascas pequenas. Lava-se em abundantes águas, para lhe retirar o sal, deixa-se a demolhar mais duas horas. Escoa-se muito bem da abundância da água. Coloca-se numa travessa, rega-se com bastante azeite e decora-se com pimentos assados e cebola crua, adocicada às rodelas. Acompanha-se de pão centeio e de um bom vinho.

 

Polvo Cozido

Na nossa região, o polvo torna-se tradição, devido à nossa posição geográfica, ou seja a proximidade com a nossa vizinha Galiza. Assim é hábito no dia da consoada comer-se-lhe o melhor polvo cozido no pote de ferro ou na panela de cobre. Come-se acompanhado de grelos e batata, bem regado de azeite, claro.

Para que o polvo se cosa mais rápido – “é necessário deixá-lo de molho algumas horas antes, ser batido em pedra e cozido em pouca água escaldando-o com um movimento de mergulho, repetido três vezes. Deve-se cozer sem sal e com uns pingos de aguardente.”

 

Sardinhas em Filetes Panados

As sardinhas, grandes e frescas, depois de salpicadas de sal por algum tempo, são preparadas do seguinte modo: Escamam-se, cortam-se-lhes as cabeças e os rabos, abrem-se com a ponta de uma faca bem afiada, dando-lhes um golpe ao longo do dorso. Tiram-se-lhes as espinhas e as tripas, deixando-as com a aparência de pequenos bacalhaus salgados. Envolvem-se em ovo batido, polvilham-se com pão ralado, passam-se de novo no ovo e no pão e frigem-se em azeite em perfeita ebulição, servindo-se depois com rodas de limão e salsa frita, que auxilia muito a ornamentação do prato.

 

Roupa Velha

Em minha casa, e julgo que em muitas outras do nosso Alto Tâmega e Barroso, só se come este prato uma vez por ano, talvez por isso o seu sabor seja tão tradicional.

Guarda-se tudo do dia anterior, as batatas cozidas, o bacalhau e a couve troncha. Faz-se um estrugido, com bastante azeite, alho picado e cebola. Deixa-se refogar levemente, junta-se o bacalhau às lascas, a batata partidas em quadrados e as couves também partidas grosseiramente. Envolve-se tudo com cuidado e esmero, se necessário acrescenta-se de azeite e alho picado. No final junta-se-lhe os ovos batidos e envolve-se novamente para estes cozerem.

Maria João Lino

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verificação * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.